Mitos e Paradigmas nas atividades físicas – misoneísmo...

 

Mitos e Paradigmas nas atividades físicas – misoneísmo ou misologia?

 

Marcelo Rocha

 

         A prática de esportes e atividades físicas em geral compõe um setor que sofre uma grande influência dos meios de comunicação. Em alguns momentos boas influências, e em outros uma influência negativa ao passo que ajuda a manter alguns mitos e paradigmas “vivos” no meio. Outra parte da culpa para que isso aconteça, recai sobre os profissionais do setor que são incapazes de ajudar a combater vários desses mitos ou paradigmas.

         Para se quebrar padrões e/ou desfazer uma cultura formada a partir de informações equivocadas, é necessário além de coragem, conhecimento e vontade de renovar. Não se sabe ao certo o porquê de afirmações como: corrida cria flacidez, exercício aeróbio de baixa intensidade emagrece, “ciclismo indoor” (spinning) faz mal para os joelhos, caminhar faz bem para os ossos, entre outros absurdos, continuam sendo propagadas nesse meio.

         Talvez as pessoas envolvidas no processo sejam adeptas do que conhecemos como misologia, do grego miséo-ô - ódio, temor, aversão. Neste caso, ao raciocínio, à lógica ou mesmo à ciência. Ou quem sabe sejam misoneístas (talvez nem elas saibam), aqueles que têm aversão ao novo; novas tendências, novos padrões, novas tecnologias, novas idéias.

         Enquanto não temos essas respostas, continuamos a mercê de equívocos e distantes de uma atividade física realmente eficiente; cumpridora de uma nobre função que é a de manter a saúde, ou mesmo prevenir a nossa sociedade de doenças e/ou algum mal causado pelo sedentarismo.