Corrida e ritmo de passadas

        Assim como no ciclismo, a cadência ou melhor dizendo na corrida, o ritmo de passadas/minuto na prática da corrida a pé é bem importante, e pode interferir bastante no resultado final de uma prova, bem como reduzir o impacto às articulações, que é inerente a essa prática esportiva. Há um consenso entre os principais treinadores de atletas de elite mundo afora, acerca de um número mágico de passadas por minuto, que estaria na casa das 180 passadas/minuto. Diversos são os treinadores que buscam esse compasso mágico, mas que para um individuo normal, não é nenhum pouco fácil.
          Em um trabalho publicado em 2011 no “Official Journal of the American College of Sports Medicine”, por Heiderscheit e colaboradores, foi verificado que mais do que tentar alcançar esse número mágico, corredores amadores que conseguissem um incremento de 10% em seu ritmo de passadas/minuto para uma dada velocidade, teriam uma redução significativa na absorção de impacto pelo quadril e joelho; e se o incremento fosse de 5% no aumento do ritmo de passadas/minuto, a redução do trabalho total seria mais significativa para o joelho. A amostra continha 45 indivíduos ativos, com um volume semanal de cerca de 24 km, e com prática de corrida de mínimo 3 meses consecutivos anteriores ao estudo.
         Outro dado interessante do trabalho, é que ao aumentar os passos/minuto, o atleta com um pouco mais de experiência e que consegue realizar as devidas mudanças biomecânicas na passada ao aumentar os passos/minuto, passa a evitar o que eles chamam de “overstride”, ou basicamente correr com um passo muito grande, dando a passada muito a frente de seu centro de massa. Boas corridas!

- BRYAN C. HEIDERSCHEIT, ELIZABETH S. CHUMANOV, MAX P. MICHALSKI , CHRISTA M. WILLE and MICHAEL B. RYAN “Effects of Step Rate Manipulation on Join Mechanics during Running”. Medicine & Science in Sports & Exercise 296-302, 2011.